Vestibular em família


Vestibular em família: “Silêncio, teu irmão precisa estudar!”. Essa frase sempre ecoa em lares onde há um adolescente se preparando para o vestibular.

Na maioria das vezes, a rotina de toda a família é alterada nesse período e se, por um lado, o filho fica ansioso com esse ritual de passagem, por outro, são mil dúvidas que pairam na cabeça de pais preocupados.

Então, antes que o lar-doce-lar se transforme num verdadeiro inferno, vale a pena ler algumas dicas de como ajudar o seu vestibulando de primeira viagem a elevar a auto-estima, estudar na medida certa, não passar a noite em claro, alimentar-se bem e conseguir relaxar nesse período para lá de conturbado. Afinal, o grande dia está chegando.

Mas o que fazer para melhorar a auto-estima do adolescente que, normalmente, está abaixo de zero? Para o psicoterapeuta Leo Fraiman, o papel da família é vital nessa etapa.

“O principal papel dos pais é dar palavras de apoio. Um gesto básico de segurar nos ombros do adolescente, olhar nos olhos e dizer ‘eu confio em você’ ou ‘você tem capacidade’ é fundamental”, ensina o terapeuta, que escreveu o livro “Meu filho vai prestar vestibular. E agora?”, da Editora Gente. O especialista lembra que motivar é bem diferente de pressionar. O ato de pressionar, segundo ele, está ligado à punição e cria uma tensão excessiva, que gera medo e pode até bloquear a mente do aluno.

“Isso é um processo neurológico que, no seu grau máximo, leva a um bloqueio de uma substância chamada Acetilcolina. Daí vem a expressão ‘dar branco’. Jamais deve-se falar frases como: ‘você tem que entrar’ ou a famigerada ‘é a sua única obrigação na vida’. A única obrigação que um jovem que está passando por essa etapa tem é de ser feliz”, aconselha o psicoterapeuta.

Além do diálogo, pequenos gestos de carinho ajudam o adolescente a enfrentar melhor essa fase. A médica sanitarista Roxane Carreirão, mãe da estudante Paula, 18 anos, faz questão de estar ao lado da filha. “Acordo bem cedinho só para preparar o café da manhã.

Como ninguém é de ferro, Elaine acha imprescindível um dia inteiro de descanso. Vale tudo: cinema, festinhas, praia… Se puder aliar o lazer a uma atividade física saudável, melhor ainda. Mas o equilíbrio é fundamental.

Para finalizar, Leo Fraiman aconselha os pais a não encararem os jovens somente como vestibulandos. “Ele é seu filho e quer o seu amor. Eles não são marionetes de seu próprio sonho, não devem realizar seus sonhos frustrados. E jamais deve-se associar a entrada na universidade a algum prêmio. Entrar numa universidade é um privilégio de 12% da população”, afirma. Quer prêmio melhor?

 

Fonte: www.vix.com